Blog da Usiminas

Usiminas registra lucro líquido de R$ 1,8 bi no terceiro trimestre do ano

Siderurgia teve Ebitda recorde trimestral e Mineração recorde de produção

A Usiminas divulgou, nesta sexta-feira (29), os números do terceiro trimestre do ano. De julho a setembro, a companhia contabilizou um Ebitda Ajustado Consolidado de R$ 2,9 bilhões (R$ 5,1 bi no 2T21). No mesmo período do ano anterior, o Ebitda Ajustado Consolidado foi de R$ 826 milhões.

Já a Margem Ebitda Ajustado no 3T21 foi de 33%, contra 37% no 2T21, descontados os efeitos não recorrentes. Na comparação com o terceiro tri de 2020, a Margem Ebitda Ajustado subiu 14 pontos percentuais (19% no 3T20).

No terceiro trimestre deste ano, o lucro líquido da empresa ficou em R$ 1,8 bilhão contra R$ 4,5 bi no segundo trimestre de 2021. A diferença se deu em função do reconhecimento de créditos PIS/Cofins e ganhos cambiais registrados no segundo trimestre do ano contra uma variação cambial negativa no período de julho a setembro. Comparado ao terceiro trimestre do ano passado, quando o lucro líquido contabilizou R$ 198 milhões, houve uma alta de 821%.

Destaque, também, para o caixa que, em função da forte geração de Ebitda, chegou, em 30/09/21, a R$ 7,3 bilhões, alta de cerca de 20% quando comparado à posição de 30/06/21 (R$ 6,1 bi). O caixa atual é suficiente para pagar toda dívida da companhia com um excedente de R$ 1,2 bilhão. No terceiro trimestre de 2020, a posição de caixa era de R$ 3,7 bilhões.

Nos meses de julho a setembro, a venda de aço atingiu a marca de 1,2 milhão de toneladas (1,3 mi/t no 2T21 e 934 mil/t no 3T20). Já a venda de minério de ferro subiu para 2,4 milhões de toneladas, contra os 2,1 milhões de toneladas do segundo trimestre deste ano. No terceiro trimestre de 2020, o volume de vendas de minério foi de 2,3 milhões de toneladas. Com relação aos investimentos, o Capex do terceiro trimestre de 2021 atingiu R$ 305 milhões, com recursos aplicados, principalmente, em manutenção, segurança e meio ambiente.

“Em um novo trimestre de resultados positivos, tivemos como destaque um Ebitda recorde na Siderurgia, excluindo efeitos não recorrentes. Registramos alta na produção de aço bruto e minério de ferro. A exemplo da indústria do aço, entramos em um período de acomodação do mercado em patamares ainda elevados após o forte crescimento da atividade do setor nos trimestres anteriores”, avalia Sergio Leite, presidente da Usiminas.

Agenda ESG

No terceiro trimestre do ano, a Usiminas continuou avançando, também, em sua agenda ESG, sigla em inglês para Meio Ambiente, Social e Governança. Conforme as principais metas anunciadas no segundo trimestre, a empresa segue cumprindo seus indicadores planejados para a elevação para 10% no número de mulheres na área industrial da empresa até 2022 e em outras metas como às relacionadas à emissão de carbono.

No indicador de segurança de barragens, a Mineração Usiminas conclui, no próximo mês de novembro, as obras de instalação do projeto de filtragem e empilhamento a seco (dry stacking), que vai permitir a migração da disposição de rejeitos em barragens convencionais para um método mais seguro e com menos impactos ambientais.

Unidades de Negócios

Na Usina de Ipatinga, a produção de aço bruto atingiu 924 mil toneladas no terceiro trimestre do ano (750 mil toneladas no 2T21) e a produção de laminados nas usinas de Ipatinga e Cubatão totalizou 1,2 milhão de toneladas (1,3 milhão no 2T21). Ainda com relação à Unidade de Siderurgia, as vendas totais somaram 1,2 milhão de toneladas de aço (1,3 milhão no 2T21).

A siderurgia alcançou um Ebitda Ajustado de R$ 2,1 bilhões no período de julho a setembro (R$ 3,4 bi no 2T21). A Margem Ebitda Ajustado foi de 26% no terceiro trimestre (44% no 2T21). Se descontados os efeitos não recorrentes que foram contabilizados no segundo trimestre do ano, o Ebitda Ajustado dessa Unidade de Negócio foi 5% superior ao registrado nos três meses anteriores (R$ 2 bi) e a Margem Ebitda Ajustado de cerca de 27%, com alta de cerca de 1 ponto percentual em relação ao segundo trimestre do ano.

Já na Mineração Usiminas, o volume de produção foi de 2,5 milhões de toneladas, recorde para a unidade, com alta de 16% quando comparado ao trimestre anterior (2,2 milhões de toneladas) devido, principalmente, à retomada operacional da Mina Leste no final do segundo trimestre. As vendas também registraram alta, passando das 2,1 milhões de toneladas do segundo trimestre para 2,4 milhões de toneladas no terceiro trimestre do ano.

O Ebitda Ajustado da Unidade de Negócio alcançou R$ 685 milhões no período (R$ 1,5 bi no 2T21). Já a Margem Ebitda Ajustado ficou em 50% contra 71% no segundo trimestre.

Na Soluções Usiminas, empresa que atua no mercado de distribuição de aço, serviços, fabricação e venda de tubos de pequeno diâmetro, a receita líquida no terceiro trimestre ficou em R$ 2,4 bilhões, em linha com o registrado no trimestre anterior. O Ebitda Ajustado da Soluções Usiminas ficou em R$ 277 milhões (R$ 429 mi no 2T21) e a Margem Ebitda Ajustado foi de 12% no terceiro trimestre (18% no 2T21).  

“Seguimos comprometidos com nossas metas ambientais e sociais, com avanços importantes nos legados que estão sendo construídos pela Usiminas, como o Centro de Memória que acaba de ser entregue à população em Ipatinga (MG). Um espaço que será referência para o Estado e para o país no registro da história da indústria do aço, da própria Usiminas e da cidade de Ipatinga, além de um valioso acervo de arte reunido pela companhia ao longo de quase seis décadas de operação”, destaca o presidente da empresa.

Sobre a Usiminas 

A Usiminas é líder no mercado brasileiro de aços planos e um dos maiores complexos siderúrgicos da América Latina. A companhia conta com unidades industriais e logísticas localizadas em seis estados do país e está presente em toda a cadeia siderúrgica – da extração do minério, passando pela produção de aço até sua transformação em produtos e bens de capital. Possui, hoje, o maior e mais inovador Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em siderurgia da América Latina. O avanço registrado pela siderúrgica nos últimos anos garante inovação, tecnologia e qualidade em todas as linhas de produção, e permite à empresa oferecer ao mercado um portfólio diversificado, com destaque para produtos e serviços de alto valor agregado. Por sua gestão ambiental, a Usiminas foi a segunda siderúrgica do mundo certificada com a ISO14001, gerando maior produtividade com menor consumo. A companhia contribui ainda para o desenvolvimento das comunidades onde atua, por meio do Instituto Usiminas e da Fundação São Francisco Xavier, oferecendo projetos nas áreas de saúde, educação, cultura, esporte e desenvolvimento social. As ações da Usiminas são negociadas nas bolsas de valores de São Paulo, Nova Iorque (ADR nível I) e Madri.